Um blog sobre Itália by Ana Borralho

La Bella Italia

Saltimbocca alla Romana

Posted by ana on 16 de Junho de 2012 in Receitas with No Comments


Não é um prato muito conhecido por terras Lusas, pelo menos nós não conhecíamos antes de virmos para cá. Pelos ingredientes nem parece um prato italiano, pois para além de não haver pasta ao barulho, não leva tomate, queijo ou manjericão :D .

A primeira vez que experimentamos este prato foi num restaurante em Roma onde fomos almoçar com um casal amigo ;) .

Não sei se é fácil ou não encontrar Salva em Portugal, eu comprei um vaso desta erva de cheiro, aliás já começa a estar composta a minha coleção de vasos…qualquer dia tiro fotos e faço um post :) .

Passemos à receita:

Saltimbocca alla Romana

  • 6 Escalopes/Bifes de Vitela cortados finamente
  • 6 folhas de Salva (ou Salvia)
  • 6 fatias de Presunto
  • Pimenta moída na altura qb
  • Azeite ou margarina qb
  • Vinho Branco qb

A carne de vitela deve ser batida*. Colocar uma folha de salva por peça de carne, e juntar a pimenta moída na altura.

De seguida colocar a fatia de presunto. As receitas italianas que vimos dizem que a maneira tradicional Romana consiste em trespassar o escalope, o presunto e salva com um palito e levar à frigideira assim. Da maneira que comemos no restaurante e da receita portuguesa, a carne vinha enrolada e segura pelos palitos. Fica ao gosto do freguês fazer como lhe aprouver :P Nós fizemos rolinhos.

O passo seguinte é levar a fritar com alguma gordura (margarina ou azeite ou ambos). Deve-se ir rodando até à carne estar bem dourada.

Nessa altura retiram-se os saltaembocas. Na frigideira junte um pouco de vinho branco e vá mexendo, até ao molho engrossar. Nessa altura sirva o saltibocca com este molho.

Saltimbocca alla Romana cortado ao meio

Nós acompanhamos com legumes vários (a receita fica para outro dia e para outro Blog).

Saltimbocca alla Romana e Legumes

* Os nossos escalopes eram fininhos acabamos por não o fazer, mas à posteriori acho que fica melhor.

 

Dia da Criança

Posted by ana on 10 de Junho de 2012 in Tradição with 3 Comments


O mês passado tinha descoberto que o Dia da Mãe era comemorado em datas diferentes em Portugal e Itália. Em Portugal este dia é comemorado no primeiro Domingo de Maio, em Itália é comemorado no segundo Domingo de Maio. Como sou uma portuguesa a morar em Itália, tive direito aos dois :) .

O Bruno já não tem a mesma sorte, pois o Dia do Pai é comemorado no mesmo dia nos dois países, a 19 de Março…temos pena ;) .

Mas a semana passada foi com enorme surpresa que descobri que em Itália não se comemora o Dia da Criança :? . O meu boneco apesar de já falar italiano é Português, e por isso ganhou uma prendinha do Dia da Criança :D .

Em  1950 a Federação Democrática Internacional das Mulheres, propôs à ONU que fosse criado um dia dedicado as crianças em todo o mundo. Este dia foi comemorado pela primeira vez em 1 de Junho de 1950. Daí que em Portugal e em muitos outros países se comemore nesta data o Dia da Criança.

Só em 20 de Novembro de 1959,  estes direitos foram passados para o papel e então foi legalmente aprovado a “Declaração dos Direitos das Crianças”, onde consta uma lista de 10 princípios.  É por esta razão que a ONU reconhece como Dia Internacional da Criança o 20 de Novembro.

As coisas que eu aprendo quando escrevo certos posts para este Blog  :lol: .

 

Pisa

Posted by ana on 3 de Junho de 2012 in Viagens with No Comments


Visitámos Pisa num “entretanto” do passeio às Cinque Terre, nesse dia estava a chover bastante e o mar estava completamente revolto, o que estragava o nosso plano de visitar as Cinque Terre por via marítima. Apesar de saber que não havia muito para ver, e da distância fomos a Pisa. Era uma cidade que gostava de conhecer, entre muitas outras de Itália, … nem que fosse para dizer aos meus netos que já tinha visto uma das torres mais famosas do mundo :D .

Como quase sempre que passeamos, o tempo estava um mimo, bazinga*!! Quando chegámos a Pisa chovia um pouco, quando nos viemos embora o céu estava a cair sobre as nossas cabeças. De recordação temos um chapéu de chuva que alguma água amparou.  Para além do chapéu comprámos umas capas impermeáveis de plástico, mas estas de pouco nos valeram…. quando chegámos ao carro apenas o Gui estava seco, eu e o Bruno parecíamos uns pintos completamente banhados :P . Não ficou na nossa lista para revisitarmos, mas dificilmente a esqueceremos, nem que seja pelas peripécias ;) . Se não é fácil visitar uma cidade debaixo de chuva, tudo se torna mais “hilariante” com um miúdo que ainda não tinha um ano ;) .

A nossa visita resumiu-se à Piazza del Duomo mais conhecida por Campo dei Miracoli, um campo aberto onde se encontram os quatro edifícios mais conhecidos de Pisa.

A imagem é uma foto do Campo dos Milagres, à esquerda a famosa Torre de Pisa, ao centro o Duomo, ao fundo o Battistero e do lado direito o Camposanto,  edifício retangular com uma área central aberta ao céu.

Assim que entrámos neste espaço e depois de tirarmos umas fotografias e de termos feito umas filmagens, fomos à procura da bilheteira ;) . As visitas  guiadas à torre são de meia em meia hora. O grupo de cada visita é  constituído por 30 pessoas. Crianças com menos de 8 anos não podem entrar. Só haviam vagas para visitar a Torre daí a 4 horas.  Não podendo o Gui ir connosco, o Bruno decidiu que não ia, comprámos um bilhete só para mim, na minha cabeça era loucura ir a Pisa e não subir à Torre ;) .

Depois de almoço, fomos ver a catedral, que  é sem dúvida digna de visita, tão bonita por dentro como por fora. Aqui ficam algumas fotos :D .

Pormenor da Catedral de Pisa

O batistério foi o nosso refugio da chuva enquanto esperávamos pela hora da visita à torre e onde o Gui e o pai esperaram pacientemente pelo meu regresso dessa mesma visita.

Batisterio de Pisa

Dentro do Batisterio de Pisa

 

Antes de ir subir ao ponto mais alto da torre de Pisa, fui fazer uma visita rápida ao Camposanto, mas assim que coloquei o pé fora fiquei toda molhada em segundos.  Foi neste estado que segui caminho.

Camposanto Pisa

O Camposanto é conhecido pelos seus frescos e também pela sua parcial destruição durante a segunda guerra mundial.

Finalmente a subida à Torre de Pisa :) . A sensação de subir a esta torre é muito estranha e engraçada, nem sei se vou conseguir descrever bem ;) . Tentem imaginar subir uma escada em caracol que está inclinada…

Tendo por base a figura do lado direito, quando se está a subir a torre e o estamos a fazer numa zona da parte da frente da foto a subida é mais íngreme do que quando a estamos a subir do lado oposto. Da parte da frente estamos a ir “contra” a inclinação das escadas, na parte de trás estamos a ir “a favor”.

Quando estamos a passar numa zona do lado direito da foto é normal o desequilibro para a parede exterior da torre, enquanto do lado oposto a tendência é aproximar-nos para a parede interna da torre.

A subir a torre estamos constantemente a seguir aos “esses”, ora pendemos para a direita, ora pendemos para a esquerda, e as escadas estão gastas precisamente dessa forma: centro, esquerda, centro, direita, centro, esquerda … vejam a foto das escadas gastas apenas de um lado para ver se percebem melhor :) .

 Escadas da Torre de Pisa

Tirei poucas fotos de cima da Torre…bem me arrependo, mas já não há nada a fazer ;) .

Vista da Torre de Pisa

Vista da Torre de Pisa

Vista da Torre de Pisa

Voltei a descer e fui ao encontro dos meus homens, o Gui dormia no carrinho, tapámos-o com uma das capas de plástico e em passo rápido abandonámos o campo dos milagres ;) .

Pisa

*Estava a ser irónica, para quem não vê o Big Bang Theory.